Sábado, 19 de Novembro de 2005

Entrega......

tuflortu.jpg

Masturbação

Eis o centro do corpo
o nosso centro
onde os dedos escorregam devagar
e logo tornam onde nesse
centro
õs dedos esfregam - correm
e voltam sem cessar


e então são os meus
já os teus dedos


e são meus dedos
já a tua boca


que vai sorvendo os lábios
dessa boca
que manipulo - conduzo
pensando em tua boca


Ardencia funda
planta em movimento
que trepa e fende fundidas
já no tempo
calando o grito nos pulmões da tarde


E todo o corpo
é esse movimento
que trepa e fende fundidas
já no tempo
calando o grito nos pulmões da tarde


E todo o corpo
é esse movimento
em torno
em volta
no centro desses lábios


que a febre toma
engrossa
e vai cedendo a pouco e pouco
nos dedos e na palma

(Maria Teresa Horta)


publicado por vagueando às 19:28
link do post | comentar | favorito
|
19 comentários:
De Anónimo a 9 de Dezembro de 2005 às 18:49
uiii ;)Gala
(http://trocadeolhares.blogs.sapo.pt)
(mailto:clikamaki@hotmail.com)


De Anónimo a 29 de Novembro de 2005 às 12:19
Este poema é uma obra de arte no ponto G da tarde.Leônidas Arruda
(http://www.leonidasarruda.adv.br)
(mailto:contato@leonidasarruda.adv.br)


De Anónimo a 21 de Novembro de 2005 às 14:00
"Conheci" este poema quando Maria Teresa Horta o declamou há mts anos num programa de televisão. O correr das palavras que saíam pela sua boca, que ví naqueles olhos grandes e percebi naquelas mãos compridas e finas fez-me extasiar perante o ecran do televisor. Não sabia sequer do que falava mas o meu corpo de menina adivinhava. Quando terminou encerrou os olhos, passou as mãos pelos cabelos grisalhos e suspirou. Hoje tb suspiro pelo prazer de re-encontrar um pouco da minha memória de mulher. Fica bem,eu34
(http://enigmasolitarios.blogs.sapo.pt)
(mailto:biquinha@sapo.pt)


De Anónimo a 20 de Novembro de 2005 às 21:15
Masturbação a duas, a quatro mãos? Cinco sentidos, todos eles atentos ao outro? "E então são os meus, já os teus dedos, e são meus dedos e já tua boca. e todo o corpo é esse movimento que trepa e fende fundidas já no tempo, calando o grito nos pulmões da tarde"! Beijo, Carlos querido!eu
</a>
(mailto:carmoroby@hotmail.com)


De Anónimo a 20 de Novembro de 2005 às 20:14
NOssa.!...adorei oq vc escreveu!..se for de tua autoria escreve muiito bem!>.
Ah, brigada pela visita em nosso blog...

bjs...
Solteira Desiludida
(http://www.uniaodassolteiras.blogspot.com)
(mailto:uniaodassolteiras@gmail.com)


De Anónimo a 20 de Novembro de 2005 às 20:12
Oi!
Lindo o teu blog, como sempre. Os textos estão excelentes.Bjs e boa semana.Fátima
(http://meuamorsolar099.blogs.sapo.pt)
(mailto:sol_lua026@hotmail.com)


De Anónimo a 20 de Novembro de 2005 às 19:46
Carlos, masturbação esse acto tão natural e presunçosamente feito tabú. Desmistificaste esse mito. Um abraço.soslayo
(http://mategoinmente.blogspot.com/)
(mailto:mategoinmente@gmail.com)


De Anónimo a 20 de Novembro de 2005 às 14:17
Olá Carlos!!!
Só posso te dizer que estou maravilhada com as palavras que escrevestes em meu Cantinho da Felicidade... Muito obrigada por tamanho carinho, e agora visitando seu blog vi quanto Ama e conhece este universo de mistério chamado MULHER... Por isso peço que não me abandones mais e visite-me sempre que for possível. Espero que destas poucas palavras possa surgir entre nós uma grandiosa amizade!!! Com todo meu Carinho e Felicidade Suzerley.
Obs.: Se você tiver interesse me adicione em seu MSN pra podermos nos falar sempre: suzerleyfaustina@hotmail.comSuzerley
(http://www.cantinhodasuzerley.blogspot.com)
(mailto:suzerleyfaustina@hotmail.com)


De Anónimo a 20 de Novembro de 2005 às 13:49
Lindo . Adoro Maria Tereza Horta . Encanta-me a sua arte de escrever . Tb adoro Míriam Monteiro, para ti ,com carinho e desejando-te continuação de escelente domingo. Beijo
.......
""Vem, antes que
meus sonhos
adormeçam
e minhas mãos
desaprendam
os gestos
de conceber-te
em mim.

Vem, antes que
a tarde se faça
e eu me esqueça
de sonhar manhãs
Vem, que a noite
já chega e,
ao cerrar os olhos,
temo apagar estrelas.
Vem, que ainda sou
frágil e pequena,
vem antes
que eu cresça
e me perca em medos.

Vem, que me faço
prenhe e plena
de versos,
de flores e suavidades.
Vem, que ainda
trago, no peito,
promessas de asas.
Então vem e pousa
como derradeira ave,
derradeiro sonho,
que logo
a tristeza
amanhece
e te leva de mim.

Vem, antes
que essa lágrima
escorra...
Vem assim,
imperfeito e vasto,
que são teus
os meus dias,
que é tua
a minha espera.
A tua ausência
é esse frio
que sopra,
esse nada
que, cotidianamente,
me embala.

Vem,
que estar sem ti
é caminhar a esmo
por dentro de mim.""

smarysol
(http://toksdeamoredesejo.blogs.sapo.pt)
(mailto:smarysol@sapo.pt)


De Anónimo a 20 de Novembro de 2005 às 13:40
Sem tabus...Maria Teresa Horta!´não é a meu ver o seu melhor,mas é do mais ousado, especialmente para a época em que foi escrito!E quando alguem, como voçê quer celebrar o amor, parecendo que entre amor e mulher, não há diferença,diga-me se este poema não podia ter outro nome e se esta dança de sentidos, bailado de mãos, bocas e desejo, não se podia chamar Terapia ou Entrega e se nessa dança, não vê dois corpos, duas bocas,duas loucuras iguais e não ouve uma valsa tocada a quatro mãos...fernanda
</a>
(mailto:fernandaragonez@hotmail.com)


Comentar post