Domingo, 5 de Março de 2006

O Amor Maduro..............................

MI001729.jpg

     Amor Maduro
O amor maduro não é menor em intensidade. Ele é apenas silencioso. Não é menor em extensão. É mais definido, colorido e poetizado. Não carece de demonstrações: presenteia com a verdade do sentimento. Não precisa de presenças exigidas: amplia-se com as ausências significantes.


O amor maduro tem e quer problemas, sim, como tudo. Mas vive dos problemas da felicidade. Problemas da felicidade são formas trabalhosas de construir o bem e o prazer. Problemas da infelicidade não interessam ao amor maduro.


Na felicidade está o encontro de peles, o ficar com o gosto da boca e do cheiro, está a compreensão antecipada, a adivinhação, o presente de valor interior, a emoção vivida em conjunto, os discursos silenciosos da percepção, o prazer de conviver, o equilibrio de carne e de espírito.


O amor maduro é a valorização do melhor do outro e a relação com a parte salva de cada pessoa. Ele vive do que não morreu mesmo tendo ficado para depois. Vive do que fermentou criando dimensões novas para sentimentos antigos, jardins abandonados, cheios de sementes.


Ele não pede... tem. Não reivindica... consegue. Não percebe... recebe. Não exige... dá. Não pergunta... adivinha. Existe para fazer feliz.


O amor maduro cresce na verdade e se esconde a cada auto-ilusão. Basta-se com o todo do pouco. Não precisa e nem quer nada do muito. Está relacionado com a vida e sua incompletude, por isso é pleno em cada ninharia por ele transformada em paraíso.


É feito de compreensão, música e mistério. É a forma sublime de ser adulto e a forma adulta de ser sublime e criança. É o sol de Outono: nítido mas doce..., luminoso, sem ofuscar..., suave mas definido..., discreto mas certo.
Um Sol que aquece até queimar.


*(Artur da Távola)

publicado por vagueando às 09:55
link do post | comentar | favorito
|
38 comentários:
De Anónimo a 5 de Março de 2006 às 23:42
utopia??? :) a mim basta-me que seja amorpluma(princesavirtual)
(http://www.princesavirtual.blogs.sapo.pt)
(mailto:plumacaprichosa@hotmail.com)


De Anónimo a 5 de Março de 2006 às 23:35
Verdade. É isso tudo. Beijos.Paula Raposo
(http://asromasdepaula.blogspot.com)
(mailto:mpaularaposo@homail.com)


De Anónimo a 5 de Março de 2006 às 23:14
Mto obrigada mais uma vez pelas belas palavras!
Amor...realmente quando se ama é uma dor...
É tu o q escreves-te sim...Amor maduro!!!
sor
</a>
(mailto:sormira@sapo.pt)


De Anónimo a 5 de Março de 2006 às 22:24
Maravilhoso esse texto... eu aprendi q o AMOR é SERENO !!!!
Um BEIJO carinhoso.... boa semanaRô
(http://www.dollyta.blogger.com.br/index.html)
(mailto:dollyta@uol.com.br)


De Anónimo a 5 de Março de 2006 às 21:57
...como foi bom ouvir...e ler...e, sonhar...sería muito bonito um amor assim...loucura
</a>
(mailto:loucura@hotmail.com)


De Anónimo a 5 de Março de 2006 às 19:59
Antes de mais, tb eu quero agradecer os poemas deixados no meu humilde cantinho...
Quanto ao amor maduro... bem... esse é mesmo para disfrutar em todo o seu explendor, ou não fosse ele maduro!!
Um beijoMEDUSA
(http://www.blog.comunidades.net/medusa/index.php)
(mailto:mlurdes95@hotmail.com)


De Anónimo a 5 de Março de 2006 às 19:51
Olá amigo, vim informar que devido às alteraçoes que os blogs da sapo vão sofrer, mudei de endereço para aqui:http://www.blog.comunidades.net/doryanne/

Beijos*Doryanne
(http://www.blog.comunidades.net/doryanne/)
(mailto:doryanne@hotmail.com)


De Anónimo a 5 de Março de 2006 às 17:54
Ser maduro é isso mesmo, tb no amor. A doce magia de saber amadurecer...
Obrigada pelo poema que muito apreciei.
Topazio2004
(http:spaces.msn.com/members/sonhoeacordar)
(mailto:flutura15@hotmail.com)


De Anónimo a 5 de Março de 2006 às 17:15
Amor maduro é...o que é isso?!
Amor é a emoção vivida em conjunto...cresce na verdade...não pede, tem...não pergunta ,adivinha....isso é amor, tão simplesmente!
Não carece de demonstrações?! Claro que sim, elas surgem naturalmente, sem serem pedidas, mas tal como as flores ,também o amor precisa ser alimentado...
Maduro?...Para mim, é amor...e a única forma de ele se sentir, é não deixarmos que morra a criança que existe dentro de nós...
Continua assim, Carlos!Inhita
(http://novamulher)
(mailto:coimbrinha3@yahoo.com)


De Anónimo a 5 de Março de 2006 às 16:22
Ola,
ja conhecia, mas e sp bom relê-lo...
E gostei dos poemas que deixaste nos comments do meu blog.
BjsMalucaResponsavel
(http://malucaresponsavel.blogs.sapo.pt)
(mailto:claudiageiroto@hotmail.com)


Comentar post