Terça-feira, 13 de Setembro de 2005

Quarto em desordem

Na curva perigosa dos cinqüenta
derrapei neste amor. Que dor! que pétala
sensível e secreta me atormenta
e me provoca à síntese da flor

que não sabe como é feita: amor
na quinta-essência da palavra, e mudo
de natural silêncio já não cabe
em tanto gesto de colher e amar

a nuvem que de ambígua se dilui
nesse objeto mais vago do que nuvem
e mais indefeso, corpo! Corpo, corpo, corpo

verdade tão final, sede tão vária
a esse cavalo solto pela cama
a passear o peito de quem ama.


Carlos Drummmond de Andrade
publicado por vagueando às 08:44
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Anónimo a 14 de Setembro de 2005 às 01:11
"Na curva perigosa dos cinquenta derrapei neste amor, e mudo de natural silêncio já não cabe em tanto gesto de colher e amar...!" Beijoeu
(http://hotmail.com)
(mailto:carmoroby@hotmail.com)


De Anónimo a 13 de Setembro de 2005 às 22:37
como sempre... a poesia... e com ela, tudo e nada...tens um blog agradável, gostei. Um beijo.eu...
</a>
(mailto:mjssvc2@hotmail.com)


De Anónimo a 13 de Setembro de 2005 às 14:54
Belo poema optima escolha... beijocasmoolightgirl
(http://meninadoluar.blogs.sapo.pt/)
(mailto:starlightgirl_m@hotmail.com)


De Anónimo a 13 de Setembro de 2005 às 14:53

Carlos Drummond de Andrade, tenho-o como meu amigo... Este poema é maravilhoso! BeijoMaria Papoila
(http://apapoila.blogs.sapo.pt)
(mailto:msantosilva@sapo.pt)


Comentar post