Terça-feira, 11 de Outubro de 2005

Orgasmo.........

image005.gif


Pintura. O Amor da Alma. Jean Deville.
Museu d'Ixelles, Bruxelas. 1900.

A maioria dos dicionários define o orgasmo como o grau máximo de excitação e culminação do prazer sexual. Já a Enciclopédia Britânica introduz na definição o conceito de gratificação e de subseqüente relaxamento das tensões sexuais.

De acordo com Masters e Johnson, o orgasmo é um breve período de liberação física do aumento prévio da tensão muscular, da concentração do fluxo de sangue na pelve e da sensação corporal de excitação, somado à percepção subjetiva que o indivíduo tem deste estado. Esta liberação energética ocorre por contrações musculares ritmadas na região genital que se refletem em outras partes do corpo. As contrações resultam ser bastante prazerosas e produzem uma sensação de alívio e relaxamento.

Além do coito, na masturbação, no sexo oral e no sexo anal também se atinge o orgasmo.

Contudo, o orgasmo é também uma experiência com grande dimensão subjetiva, uma experiência de vida íntima do indivíduo e, nesse nível, recebe as mais distintas definições:

• É uma sensação extremamente prazerosa na qual se atinge o máximo da resposta sexual. O prazer experimentado dificilmente pode ser comparado a outro obtido em diferentes circunstâncias. É como abandonar o próprio corpo e sentir que não existe tempo nem espaço. Durante o orgasmo as pessoas sentem que tudo se perde e tudo se ganha. É como se sentir imerso em um mundo novo e inimaginável.
• É uma sensação de voluptuosidade, de viver o máximo de felicidade, de chegar ao êxtase.
• O orgasmo é quietude e solidão necessárias. Uma vivência que dá vontade de repetir, na qual um se satisfaz e deseja satisfazer ao outro. É um momento no qual mais se sente o outro, embora se tenha uma agradável sensação de solidão, de estar com o próprio eu.
• O orgasmo é uma sensação absolutamente subjetiva: é como sentir que toda a existência se condensa em um instante, se expande e explode em um grito de plenitude e triunfo. É como se perder no infinito e sair dele, é ganhar energia, força, vitalidade; é como mergulhar em águas profundas e emergir subitamente à superfície clara e vital.

*Museu do sexo(Sala Conceitos da Sexualidade)
publicado por vagueando às 01:59
link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De Anónimo a 13 de Outubro de 2005 às 22:26
Os primeiros orgasmos que senti com o meu Caranguejo descrevi-os como "fogo de Santelmo"... Hoje digo que são muito mas muito melhores ;-) Jinhos migo... Perfect Woman
(http://perfectwoman.blogs.sapo.pt/)
(mailto:perfect_woman63@sapo.pt)


De Anónimo a 12 de Outubro de 2005 às 23:00
Vim agradecer o poema que me deixaste. Continuas sensualmente... informativo e poético. Um bom começo de noite, com tudo aquilo que desejares. Beijos e afagos.Mily
(http://calunguinha.blogs.sapo.pt)
(mailto:calunguinha13@hotmail.com)


De Anónimo a 11 de Outubro de 2005 às 17:25
..."é uma sensação absolutamente subjectiva: é como sentir que toda a vida se condensa em um instante..." Beijo Maria Papoila
(http://apapoila.blogs.sapo.pt)
(mailto:msantosilva@sapo.pt)


De Anónimo a 11 de Outubro de 2005 às 17:25
..."é uma sensação absolutamente subjectiva: é como sentir que toda a vida se condensa em um instante..." Beijo Maria Papoila
(http://apapoila.blogs.sapo.pt)
(mailto:msantosilva@sapo.pt)


De Anónimo a 11 de Outubro de 2005 às 16:49
Passei aqui e te deixei um beijo.vania
</a>
(mailto:vaniamlima@hotmail.com)


De Anónimo a 11 de Outubro de 2005 às 16:27
"È quietude e solidão, é prazer a dois, é perder-se no infinito para se voltar a encontrar! Beijoeu
</a>
(mailto:carmoroby@hotmail.com)


De Anónimo a 11 de Outubro de 2005 às 15:17
Obrigado :)elsita
(http://umaalmaescondida.blogs.sapo.pt/)
(mailto:eelsita@sapo.pt)


Comentar post